ƒutebolmetria


Formulas Bizarras dos Campeonatos Estaduais

Os campeonatos estaduais são repletos de situações inusitadas. Se já não bastassem os gramados ruins e os jogadores de qualidade duvidosa, muitas vezes os cartolas interferem com ideias malucas. As formulas de disputa arquitetadas pelos gênios das federações estaduais parecem vir de algum filme de comédia ou peça de teatro do gênero absurdista. Segue abaixo algumas dessas formulas bizarras:

Campeonato Mato-Grossense
A edição de 2014 do campeonato contava com 9 equipes, divididas em dois grupos: um grupo com 4 equipes, e o outro com 5. A primeira fase da competição foi disputada em fórmula de turno e returno, com as equipes enfrentando os adversário do mesmo grupo. Ao final da primeira fase, os 4 primeiros colocados de cada grupo classificaram-se para a fase de mata-mata. Portanto, 9 equipes disputaram a primeira fase e 8 se classificaram! E o pior, como um grupo tinha apenas 4 equipes, todas as equipes deste grupo se classificaram. É isso mesmo, 4 equipes se enfrentaram em jogos de turno e returno e ao final todas se classificaram para a próxima fase do campeonato!


Campeonato Pernambucano
Para a edição de 2015, os cartolas de Pernambuco perceberam que as equipes menores do estado passavam muitos meses sem jogar. Para “ajudar”, desenvolveram uma fórmula de disputa em que o campeonato estadual começaria em dezembro, contando apenas com as equipes “pequenas” que não disputam a Copa do Nordeste entre os meses de fevereiro e abril. Então o Campeonato Pernambucano de Futebol de 2015 começaria em dezembro de 2014. Os “grandes” entrariam em campo apenas na fase final do campeonato, após o final da Copa do Nordeste de 2015. O grande problema dessa fórmula é que ela pressupõe que os “grandes” sempre disputarão a Copa do Nordeste, mas a participação no torneio é baseada no desempenho das equipes em seus campeonatos estaduais no ano anterior. O Santa Cruz, quarto colocado no estadual de 2014, não se classificou para a Copa do Nordeste de 2015. Com isso, teria que jogar o estadual desde a primeira fase. Mas como a primeira fase do estadual começaria em dezembro de 2014, o Santa Cruz seria forçado a jogar a primeira fase do campeonato estadual ao mesmo tempo em que disputava a reta final do campeonato brasileiro da série B! A equipe não teria tempo nenhum de descanso ou férias no final do ano.  

Campeonato Catarinense
O “Catarinensão” de 2013 contou com uma pérola de formula de disputa. A competição foi dividida em dois turnos, e a equipe com pontuação mais alta em cada turno foi considerada a campeã do turno. Até ai, tudo normal. Mas após o final do segundo turno, os campeões de cada turno, além das duas outras equipes com pontuações mais altas, se classificaram para uma fase semi-final. Portanto, equipes que não ganharam nem o primeiro e nem o segundo turno tiveram a chance de competir pelo título. Além disso, o regulamento dizia que caso a mesma equipe conquistasse o primeiro e o segundo turno, essa equipe não seria considerada a campeã, e as semi-finais aconteceriam da mesma maneira!

Campeonato Carioca
O regulamento oficial do Campeonato Carioca de 2013 contava com uma regra extremamente estranha que se aplicava às partidas de final. A partida entre o campeão do primeiro turno (Taça Guanabara) e o campeão do segundo turno (Taça Rio) seria disputada em duas partidas, aonde a equipe com melhor campanha jogaria com a vantagem do empate. Portanto, em caso de dois empates nos jogos finais, a equipe com melhor campanha nas fases iniciais levaria o título. Mas o artigo 6 do regulamento indicava que essa vantagem só valia caso ambos os jogos da final terminassem em empate. Caso as equipes conquistassem uma vitória cada, a final seria decidida nos pênaltis! 

Campeonato Paulista
​O Paulistão 2014 leva o prêmio de fórmula de disputa mais bizarra de todas, pois contava com um fato único na história do futebol mundial: foi o único campeonato da história em que uma equipe tinha a possibilidade de ser rebaixada e campeã no mesmo ano! Vinte equipes, divididas em quatro grupos, jogaram contra todos menos as equipes em seu próprio grupo. As equipes do grupo A, por exemplo, jogaram contra as equipes dos grupos B, C e D, mas não enfrentaram as equipes do seu próprio grupo. Todos disputaram 15 partidas na primeira fase da competição, e ao final dessa fase os dois melhores de cada grupo se classificaram para a fase de mata-mata, enquanto as equipes com as quatro piores pontuações foram rebaixadas. O grande paradoxo dessa fórmula estranhíssima de disputa é que uma equipe poderia se classificar para a fase de mata-mata ao terminar em segundo lugar de seu grupo, e ao mesmo tempo ter uma das quatro piores campanhas no campeonato, sendo rebaixada. Com isso, a equipe teria a chance de disputar a fase final (e possivelmente ser campeão) mesma já estando rebaixada!